Anotações & Informações | Índice | Fim pág | Voltar |


Aços para Ferramentas II

| Índice do grupo | Página anterior | Próxima página |

Tópicos: Aços Temperáveis em Óleo | Aços de Média Liga Temperáveis ao Ar | Aços de Alto Carbono e Alto Cromo |


1) Aços Temperáveis em Óleo

(Topo | Fim pág)

A série O compreende aços com teores de carbono entre 0,90 e 1,45%, além de manganês, silício, cromo, tungstênio e molibdênio. A tabela abaixo dá a composição de alguns tipos.

Tipo % C % Mn % Si % Cr % Ni % Mo % W % V % Co % Cu % P % S
O1 0,90 1,00 0,25 0,50 - - 0,50 - - - - -
O2 0,90 1,60 0,25 - - - - - - - - -
O6 1,45 0,80 1,00 - - 0,25 - - - - - -
O7 1,20 0,25 0,25 0,75 - 0,25 1,75 - - - - -

Temperaturas comuns de têmpera são 790 / 815°C para O1, 760 / 800°C para 02 e 855 / 885°C para O7. É recomendável um preaquecimento (antes da formação da austenita) entre 650 e 700°C para melhor estabilidade dimensional. Revenido na faixa de 170 a 200°C para durezas acima de 60 HRC.

Podem conter grafita na estrutura endurecida, que atua como lubrificante e facilita usinagem posterior. Tipos com tungstênio são mais resistentes à abrasão e têm melhores propriedades de aresta, adequados para facas de corte. Aplicações típicas são parecidas com as da série W (tópico anterior), com solicitações mais severas e melhor estabilidade dimensional.


2) Aços de Média Liga Temperáveis ao Ar

(Topo | Fim pág)

Contêm proporções razoáveis de elementos de liga como Manganês, Silício, Cromo, Níquel, Molibdênio e Vanádio para melhorar endurecimento, resistência ao desgaste e tenacidade. A tabela abaixo dá alguns tipos conforme classificação AISI.

Tipo % C % Mn % Si % Cr % Ni % Mo % W % V % Co % Cu % P % S
A2 0,95 / 1,05 1,00 0,50 4,75 / 5,50 0,30 0,90 / 1,40 - 0,15 / 0,50 - 0,25 0,03 0,03
A3 1,20 / 1,30 0,40 / 0,60 0,50 4,75 / 5,50 0,30 0,90 / 1,40 - 0,80 / 1,40 - 0,25 0,03 0,03
A4 0,95 / 1,05 1,80 / 2,20 0,50 0,90 / 2,20 0,30 0,90 / 1,40 - - - 0,25 0,03 0,03
A6 0,65 / 0,75 1,80 / 2,50 0,50 0,90 / 1,20 0,30 0,90 / 1,40 - - - 0,25 0,03 0,03
A10 1,25 / 1,50 1,60 / 2,10 1,00 / 1,50 - 1,55 / 2,05 1,25 / 1,75 - - - 0,25 0,03 0,03

As combinações dos elementos de liga dão a esses aços a possibilidade de têmpera ao ar (menor deformação, menor tendência a trincas), fazendo-os adequados para peças de geometria complexa como matrizes. O tipo A2 é o mais usual do grupo. O maior teor de cromo (também do A3 e de outros não listados na tabela) modera o amolecimento em temperaturas elevadas.

Temperaturas de têmpera na faixa de 790 / 870°C e 925 / 980°C para os tipos com maiores teores de cromo. Revenido entre 150 e 565°C, dependendo da dureza desejada.


3) Aços de Alto Carbono e Alto Cromo

(Topo | Fim pág)

Conforme classificação AISI, pertencem ao grupo D, alguns dos quais são dados na tabela abaixo ("-" significa valor nulo ou não disponível). São aços de alto carbono e alto cromo destinados a trabalhos a frio.

Tipo % C % Mn % Si % Cr % Ni % Mo % W % V % Co % Cu % P % S
D2 1,40 / 1,60 0,60 0,60 11,0 / 13,0 0,30 0,70 / 1,20 - 1,10 1,00 0,25 0,03 0,03
D3 2,00 / 2,35 0,60 0,60 11,0 / 13,5 0,30 - 1,00 1,00 - 0,25 0,03 0,03
D4 2,05 / 2,40 0,60 0,60 11,0 / 13,0 0,30 0,70 / 1,20 - 1,00 - 0,25 0,03 0,03
D5 1,40 / 1,60 0,60 0,60 11,0 / 13,0 0,30 0,70 / 1,20 - 1,00 2,50 / 3,50 0,25 0,03 0,03
D7 2,15 / 2,50 0,60 0,60 11,5 / 13,5 0,30 0,70 / 1,20 - 3,80 / 4,40 - 0,25 0,03 0,03

Da tabela, todos são temperáveis ao ar, exceto o D3, que deve ser temperado em óleo. Apresentam elevadas dureza e resistência ao desgaste devido aos carbonetos formados pelos altos teores de carbono e cromo. Outro destaque é a baixa deformação, propriedade importante para uso em matrizes por exemplo.

Além de matrizes, são empregados em fresas, punções, tesouras e outros. Temperaturas de têmpera 970 a 1040°C para ar e 955 a 995°C para óleo. Revenido de 200 a 540°C. Faixa de durezas de 58 a 64 HRC.

D2 é o tipo mais usado e D7 é o que apresenta maior resistência ao desgaste, em função dos maiores teores de carbono e vanádio.
Referências
Bouché, Ch. Leitner, A. Sans, F. Dubbel. Manual da Construção de Máquinas. São Paulo, Hemus, 1979.
Faires, V. M. Elementos Orgânicos de Máquinas. Rio, Livros Técnicos, 1976.
Chiaverini, V. Aços e Ferros Fundidos. São Paulo, ABM, 1982.

Topo | Rev: Set/2009