Anotações & Informações | Fim pág | Voltar |

Alguns compostos inorgânicos IV

| Índice do grupo | Página anterior | Próxima página |

Nitrato de chumbo II | Nitrato de potássio | Nitrato de prata | Nitrato de sódio | Óxido de alumínio | Óxido de cálcio | Óxido de chumbo II |

Nitrato de chumbo II Pb(NO3)2

(Topo | Fim pág)

Sólido em forma de cristais transparentes ou pó branco, altamente tóxico e cancerígeno, poderoso oxidante. A reação com iodeto de potássio produz o iodeto de chumbo, substância de cor amarelo-brilhante.

Usado na fabricação de fósforos e explosivos. Também como oxidante em tinturaria.

Massa específica: 4500 kg/m3. Ponto de fusão: 470 °C (decompõe). Solubilidade: 60 g em 100 g de água.


Nitrato de potássio KNO3

(Topo | Fim pág)

Sólido branco em forma de pó ou transparente em forma de cristais. Inodoro. Comercialmente produzido pela reação do cloreto de potássio com nitrato de sódio.

Algumas aplicações: pólvora para armas e explosivos. Algumas vezes, em medicina como diurético. Fertilizantes. Conservação de alimentos. Vidros de alta qualidade ótica e resistência mecânica.

Massa específica: 2110 kg/m3. Temperatura de fusão: 334 °C. Decompõe a 400 °C.


Nitrato de prata AgNO3

(Topo | Fim pág)

Sólido cristalino branco, corrosivo e bastante tóxico. Mas a solução fraca (cerca de 1%) pode ser usada como antisséptico quase sem efeitos colaterais.

A principal aplicação está na fotografia. Finamente granulado, o composto em solução gelatinosa é aplicado entre filmes de acetato ou poliéster. Ao atingirem moléculas de nitrato de prata, fótons de luz, raios-X e outras radiações liberam elétrons dos íons de prata. Esses elétrons se fixam em determinadas imperfeições da estrutura cristalina e aparentemente atraem os íons positivos de prata, que se neutralizam, formando grupos de átomos estáveis de prata. Isso cria uma imagem latente, que é exibida no processo de revelação.

Além da fotografia e medicina, é usado na fabricação de espelhos, tintas indeléveis, eletrodeposição de prata e outros processos. Pode ser obtido pela reação da prata com ácido nítrico.

Massa específica: 4352 kg/m3. Ponto de fusão: 212 °C. Ponto de ebulição: 440 °C (decompõe). Solubilidade: 245 g em 100 g de água.


Nitrato de sódio NaNO3

(Topo | Fim pág)

Composto cristalino inodoro e incolor. Tem semelhança com o nitrato de potássio, inclusive no comportamento químico. Solúvel em água, álcool e amônia líquida.

Algumas aplicações: fabricação de nitrato de potássio, fertilizantes, explosivos. Também usado em algumas carnes enlatadas, para preservar a cor.

Encontrado na natureza, sendo essa sua principal fonte comercial. Os maiores depósitos naturais estão no Chile, Peru, Argentina e Bolívia. Por isso, também denominado salitre do Chile.

Massa específica: 2300 kg/m3. Ponto de fusão: 307 °C. Ponto de ebulição: 380 °C (decompõe). solubilidade: 92 g em 100 g de água.


Óxido de alumínio Al2O3 (alumina)

(Topo | Fim pág)

Encontrado na natureza na bauxita e na criolita. Também em pedras como topázio, ametista, esmeralda, rubi, safira. Comercialmente produzido pelo processo Bayer.

É um dos materiais refratários mais versáteis e tem extensa gama de aplicações: refratários para altas temperaturas, implantes ortopédicos, selos para bombas e registros, abrasivos industriais, meios de moagem, peças para micro-ondas, isolantes elétricos, etc.

As propriedades variam de acordo com o grau de pureza. Por isso, algumas são dadas em faixas. Massa específica: 3500-3900 kg/m3. Ponto de fusão: 2015 °C. Coeficiente de expansão térmica 20-1000 °C: 0,70-0,83 × 10−5. Constante dielétrica: 8,5-9,5. Índice de refração: 1,765. Calor específico: 850-920 J/(kg K). Resistividade elétrica: > 1014 Ω cm. Dureza Vickers: 1500. Módulo de ruptura: 250-400 MPa. Resistência à compressão: 1800-2600 MPa.


Óxido de cálcio CaO

(Topo | Fim pág)

Sólido branco, alcalino, cristalino. Usualmente conhecido pelo nome cal, é produzido pelo aquecimento do carbonato de cálcio (CaCO3) a cerca de 500 °C, o que provoca a separação do dióxido de carbono. É uma das reações químicas mais antigas que se conhece. Em geral, o produto comercial não é puro. Pode conter outros óxidos como de magnésio, silício, alumínio, ferro.

Tem uma variedade de aplicações: argamassas para construção civil, tintas, agricultura (para corrigir acidez de solos), tratamento de água (também para reduzir acidez), tratamento de efluentes, tratamento de gases para remover enxofre, produção de aço, alumínio e outros metais (para remover impurezas), produção de vidros e cerâmicas, purificação de ácido cítrico, produtos farmacêuticos, etc.

Massa específica: 3300 kg/m3. Temperatura de fusão: 2927 °C. Temperatura de ebulição: 3500 °C.


Óxido de chumbo II PbO

(Topo | Fim pág)

Sólido cristalino, de cor vermelha a amarela, insolúvel em água. Reage violentamente com pó de alumínio. Fumaças tóxicas são formadas pelo aquecimento. É perigosamente venenoso. A contaminação pode ocorrer por inalação ou por ingestão. Em razão das suas aplicações, óxidos de chumbo têm sido usados há muito tempo, desde os antigos romanos.

Algumas aplicações: vidros (cristais domésticos podem conter 24-28% de PbO para maior transparência e maior peso. Em vidros de cinescópios para absorver radiação. Em fibras óticas para maior índice de refração. Vidros para proteção de raios-X e outros especiais. Baterias automotivas e estacionárias. Como aditivo para PVC (melhorar resistência térmica, elétrica e contra radiação ultravioleta). Pigmentos para tintas (em desuso devido ao perigo, mas ainda encontra aplicação por ser um ótimo inibidor de corrosão). Em cerâmicas e esmaltes, para melhores resistências térmica e contra desgaste.

Massa específica: 9500 kg/m3. Ponto de fusão: 888 °C. Ponto de ebulição: 1470 °C.
Referências
Pesquisa na Internet em 12/2007 (fontes não anotadas).

Topo | Rev: Mai/2018