Anotações & Informações | Índice | Fim pág | Voltar |


Eletrônica Digital XXXV

| Índice do grupo | Página anterior | Próxima página |

Tópicos: Associações de Memórias ROM | Memórias ROM: exemplo de aplicação I |


1) Associações de Memórias ROM

(Topo | Fim pág)

As memórias ROM podem ser associadas de forma similar às demais. Consideram-se, por exemplo, blocos de 16 posições e 1 bit por posição (16 x 1).


Fig 1-I

Em (a) da Figura 1-I tem-se 4 blocos 16 × 1 que formam um conjunto de 16 × 4. Em (b), 2 blocos de 16 × 1 fazem 1 bloco de 32 × 1.

A designação genérica é a mesma já vista, ou seja, um bloco de memória ROM N x M tem N posições e M bits por posição. O número de entradas de endereço é K tal que 2K = N ou K = log2 N.


2) Memórias ROM: exemplo de aplicação I

(Topo | Fim pág)

As memórias ROM têm uma variedade de aplicações. São operações que não precisam modificar os dados armazenados. Desde que são, conforme já visto, equivalentes a circuitos combinatórios, elas permitem o seu desenvolvimento de forma simples e metódica, sem a complexidade de um circuito de portas lógicas no caso de muitas variáveis. Na realidade, basta a tabela de verdade para a definição da ROM (ou gravação da PROM) que a executa.

O arranjo da Figura 2-I gera, por aproximação, um sinal de uma forma genérica.


Fig 2-I

O contador seleciona sequencialmente os endereços da ROM, que contêm valores correspondentes aos pontos indicados no gráfico. Tabela de verdade a seguir.

Tab 2-I
A3A2A1A0O3O2O1O0Dec
000000000
000100113
001001106
001110019
0100110012
0101111014
0110111014
0111110012
1000101010
100110008
101001106
101101004
1100001 1 3
1 1 0 1 0 0 1 0 2
1 1 1 0 0 0 0 1 1
1 1 1 1 0 0 0 0 0

O conversor digital-analógico transforma os valores lógicos das saídas (O0, O1, O2 e O3) em níveis discretos de tensão (coluna Dec da Tabela 2-I), proporcionando a aproximação. Sequências de ciclos podem ser obtidas se o contador operar repetidamente. É claro que, com 16 posições, a aproximação pode ser insuficiente para muitos casos, mas basta aumentar a capacidade da ROM para chegar ao nível desejado.
Referências
Brophy, James J. Basic Electronics for Scientists. USA: McGraw-Hill, 1977.
U. S. Navy. Basic Electronics. Hemus, 1976.

Topo | Rev: Dez/2007