Anotações & Informações | Índice | Fim pág | Voltar |


Eletrônica Digital XV

| Índice do grupo | Página anterior | Próxima página |

Tópicos: Flip-flops Tipos T e D | Registrador de Deslocamento | Conversor Paralelo / Série |


1) Flip-flops Tipos T e D

(Topo | Fim pág)

Um flip-flop tipo T é um JK, conforme página anterior, com as entradas interligadas e, portanto, seus valores só podem ser iguais.


Fig 1-I

Tabela de verdade do flip-flop tipo T:

T Q
0 Qa
1 Qa

Um flip-flop tipo D é um JK com uma porta NÃO entre as entradas e, portanto, seus valores só podem ser opostos.


Fig 1-II

Tabela de verdade do flip-flop tipo D:

D Q
0 0
1 1


2) Registrador de Deslocamento

(Topo | Fim pág)

Seja o circuito da Figura 2-I, isto é, 4 flip-flops mestres-escravos ligados em cascata e com clock comum. Desde que o flip-flop 3 é tipo D e a saída de cada é ligada à entrada do seguinte, os valores presentes nas entradas só podem ser complementares entre si, isto é, se J é 0, K é 1 e vice-versa.


Fig 2-I

Nessas condições, conforme tabela de verdade, os valores das saídas não dependem dos estados anteriores, mas apenas dos valores nas entradas na transição do clock de 1 para 0. E o circuito atua como um conversor série/paralelo, isto é, uma informação em série aplicada na entrada ES, desde que devidamente sincronizada com os pulsos de clock, será posta nas saídas S0 a S3 após o quarto pulso de clock.


Fig 2-II

Supõe-se, por exemplo, que, em determinado instante, a entrada série ES seja 1. Assim, no flip-flop 3 ocorre J = 1 e K = 0. Na próxima transição (descida) do clock, esses valores estarão nas saídas Q e Q do mesmo flip-flop (3). E, então, S3 = 1. Na transição seguinte do clock, esse valor será, pelo mesmo processo, transferido para a saída S2 porque as entradas do flip-flop 2 são as saídas do flip-flop 3. E assim sucessivamente. Portanto, a cada pulso de clock, a informação se desloca da esquerda para a direita, razão do nome registrador de deslocamento. No exemplo da Figura 2-II, depois do quarto pulso, a saída será 1001.


3) Conversor Paralelo / Série

(Topo | Fim pág)

Um arranjo similar ao registrador de deslocamento pode proporcionar a operação inversa, isto é, a conversão de uma informação paralela em serial. O esquema é dado na Figura 3-I, com o uso de flip-flops com entradas preset e clear.


Fig 3-I

Na situação inicial, clear = 1 e habilitar = 0. Para iniciar o processo, dá-se um pulso 0 em clear (zerando todos os flip-flops) e depois um pulso 1 em habilitar. Quando habilitar = 1, se uma entrada E for 0, o respectivo PR será 1 e o flip-flop terá valor 0 devido à limpeza anterior.

Considerando ainda habilitar = 1, se uma entrada E for 1, o respectivo PR será 0, o que faz a saída do flip-flop 1. Assim, essa operação transfere os dados das entradas paralelas para os respectivos flip-flops. De forma similar ao tópico anterior, os pulsos de clock deslocam a informação para a direita e a forma serial estará presente na saída S.
Referências
Brophy, James J. Basic Electronics for Scientists. USA: McGraw-Hill, 1977.
U. S. Navy. Basic Electronics. Hemus, 1976.

Topo | Rev: Dez/2007