Anotações & Informações | Índice | Fim pág | Voltar |


Probabilidades e Estatística VIII-1

| Índice do grupo | Página anterior | Próxima página |

Tópicos: Tema Sensível |


1) Tema Sensível

(Topo | Fim pág)

A questão da interrupção da gravidez ou aborto é um assunto polêmico, que pode despertar reações agressivas e/ou ofensivas, principalmente no Brasil, país onde a sensibilidade emocional das pessoas é em geral elevada. Mas é uma realidade aqui e no resto do mundo, e pode ser vista com mais imparcialidade se analisadas as diferenças entre nações. Há basicamente duas grandes opiniões sobre o tema:

(A) No conceito religioso tolerante ou mais científico, o ser humano passa a existir com a estrutura / atividade neuronial, o que ocorre após 12 semanas, sendo então lícito o procedimento nesse período.

(B) No conceito religioso fundamentalista ou radical, o ser humano passa a existir na concepção, sendo, portanto, ilício o procedimento em qualquer tempo.

Considerando que o Índice de Obediência Religiosa (IOR), conforme página anterior, foi definido com base no número de casos de restrições ao procedimento, considerou-se o limite IOR ≤ 4 para o grupo A. Com esse limite e uso dos dados da tabela da página anterior, resultados consolidados são dados a seguir.

Grupo A: 96 países onde o procedimento é legal, com poucas restrições.

Grupo B: 79 países onde o procedimento é ilegal ou com muitas restrições (grupo do Brasil).

(alguns países não constam da comparação por dados incompletos ou não disponíveis)


População (% do total): grupo A 67,9 × 32,1 do grupo B

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) médio: grupo A 0,75 × 0,64 do grupo B

PIB per capita médio em USD: grupo A 19173 × 6658 do grupo B

Homicídios / ano / 100000 hab (médio): grupo A 5,6 × 10,5 do grupo B

Ganhadores de Prêmio Nobel (% do total): grupo A 96,5 × 3,5 do grupo B


Grupo A: África do Sul | Albânia | Alemanha | Armênia | Austrália | Áustria | Azerbaijão | Bahamas | Bahrain | Barbados | Belarus | Bélgica | Belize | Benin | Bolívia | Bósnia e Herzegovina | Botsuana | Bulgária | Burkina Faso | Camarões | Camboja | Canadá | Catar | Cazaquistão | China | Chipre | Cingapura | Colômbia | Coreia do Sul | Croácia | Dinamarca | Eritreia | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estados Unidos | Estônia | Etiópia | Federação Russa | Fiji | Finlândia | França | Gana | Georgia | Grécia | Guiana | Guiné | Hungria | Índia | Islândia | Israel | Itália | Japão | Jordânia | Kuwait | Letônia | Libéria | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia | México | Moldávia | Mongólia | Montenegro | Namíbia | Nepal | Níger | Noruega | Nova Zelândia | Países Baixos | Polônia | Portugal | Quirguizistão | Reino Unido | República Checa | Roménia | Santa Lúcia | São Cristóvão e Nevis | São Vicente e Granadinas | Sérvia | Seychelles | Suazilândia | Suécia | Suíça | Tailândia | Tajiquistão | Togo | Tunísia | Turquemenistão | Turquia | Ucrânia | Uganda | Uruguai | Uzbequistão | Zâmbia | Zimbábue |


Grupo B: Afeganistão | Angola | Antígua e Barbuda | Arábia Saudita | Argélia | Argentina | Bangladesh | Brasil | Burundi | Butão | Chade | Chile | Comores | Costa Rica | Djibuti | Dominica | Egito | El Salvador | Emirados Árabes Unidos | Equador | Filipinas | Gabão | Granada | Guatemala | Guiné Equatorial | Haiti | Honduras | Iémen | Ilhas Salomão | Indonésia | Irã | Iraque | Irlanda | Jamaica | Kiribati | Laos | Lesoto | Líbano | Líbia | Madagascar | Malásia | Malawi | Maldivas | Mali | Malta | Marrocos | Maurício | Mauritânia | Mianmar | Micronésia | Moçambique | Nicarágua | Nigéria | Omã | Palau | Panamá | Papua Nova Guiné | Paquistão | Paraguai | Peru | Quênia | República Centro-Africana | República Democrática do Congo | República do Congo | República Dominicana | Ruanda | Samoa | Senegal | Serra Leoa | Sri Lanka | Sudão | Sudão do Sul | Suriname | Tanzânia | Timor Leste | Tonga | Trinidad e Tobago | Vanuatu | Venezuela |

Os resultados permitem concluir que países com menor influência religiosa têm indicadores sociais e econômicos melhores. Mas não é possível identificar o que é causa e o que é consequência.
Referências
Ver página anterior.

Topo | Rev: Mai/2018